Newsletter

Receba todas as nossas novidades. >>
SUSTENTABILIDADE  >  Ambiente  >  Água



Água

A água é um recurso de grande importância para a sustentabilidade da fauna e flora do parque Boticas – Natureza e Biodiversidade, garantindo a estabilidade dos ecossistemas existentes. A área do parque apresenta uma enorme riqueza e diversidade de recursos hídricos, tais como o rio Beça, nascentes, fontes e levadas, que asseguram uma eficaz distribuição da água.

O Rio Beça desempenha um papel fundamental no funcionamento do Posto Aquícola do Beça, incluído no perímetro do Parque, uma vez que é a fonte de alimentação de água a todos os tanques que integram o ciclo reprodutivo das trutas aí produzidas, destinadas ao repovoamento dos rios da região. As comunidades piscícolas existentes no rio evidenciam a qualidade deste recurso, que beneficia um elevado número de espécies.

Nos extremos norte e sul do Parque existem dois moinhos de água, que vinculam a importância da água no passado, enquanto força motriz para a moagem de cereais provenientes da atividade agrícola, outrora o sustento para muitas famílias.

Os tanques e levadas de água existentes no parque permitem que uma importante comunidade de anfíbios se desenvolva nos seus habitats aquáticos, criando as condições necessárias para o seu equilíbrio e sobrevivência.

As levadas assumem ainda a função de distribuição da água pelo parque, aumentando a disponibilidade e permitindo múltiplas utilizações deste recurso, nomeadamente, rega de culturas agrícolas, abeberamento de animais, abastecimento público e combate a incêndios florestais.

Distribuídos pelo parque, existem ainda diversos pontos de água, que garantem o abeberamento dos animais que vagueiam pelo parque, como o caso das aves, pequenos mamíferos, répteis e insetos.

A água está presente em todos os seres vivos e adquire um papel importante em muitas das funções metabólicas. As plantas beneficiam também com a disponibilidade deste recurso, apresentando uma diversidade de género e número, em linhas de água, fontanários e margens dos rios e ribeiros, criando um ambiente ameno e agradável em todo o parque.

A eficiência na gestão deste recurso passa não só pela sua reutilização em inúmeras situações, mas também pelo seu adequado tratamento, havendo duas ETAR’s que asseguram o tratamento das águas residuais produzidas no Parque. Deste modo, não são produzidos quaisquer impactos nos ecossistemas, e o recurso retoma o ciclo hidrológico.

A dinâmica conservacionista que o parque tenta transmitir está bem patente na forma como se promove a preservação deste recurso, procurando-se ainda educar e sensibilizar para a sua correta utilização.